sábado, 29 de outubro de 2016

"Existe Algo de Bom nos Homens?" - Parte XV

Conclusão


Para sumarizar meus pontos principais: Alguns homens sortudos estão no topo da sociedade e desfrutam das melhores recompensas da cultura. Outros, menos afortunados, têm suas vidas trucidadas por ela. Cultura usa tanto homens quanto mulheres, mas a maior parte das culturas os usa de maneiras um tanto diferentes. A maioria das culturas vê o indivíduo homem como sendo mais descartável que indivíduos mulheres, e esta diferença é provavelmente baseada na natureza, em cuja competição reprodutiva alguns homens são os grandes fracassados e outros homens são os maiores vencedores. Portanto ela usa homens para os muitos serviços arriscados que tem.

Homens vão a extremos mais que mulheres, e isto se encaixa bem na cultura usando-os para tentar um monte de coisas diferentes, recompensando os vencedores e esmigalhando os fracassados.

Cultura não é sobre homens contra mulheres. No panorama geral, progresso cultural emerge de grupos de homens trabalhando com ou contra outros homens. Enquanto mulheres se concentram nas relações mais próximas que habilitam a espécie a sobreviver, homens criaram a rede maior de relacionamentos superficiais, menos necessária à sobrevivência mas eventualmente habilitando a cultura a florescer. A criação gradual de riqueza, conhecimento e poder na esfera dos homens foi a fonte da desigualdade de gêneros. Homens criaram grandes redes sociais que compõem a sociedade, e homens ainda são os principais responsáveis por isso, mesmo que agora nós vemos que mulheres podem atuar perfeitamente bem nestes grandes sistemas.

O que parece ter funcionado melhor para culturas é colocar os homens uns contra os outros, competindo por respeito e outras recompensas que acabam sendo distribuídos muito desigualmente. Homens têm que provar a si mesmos produzindo coisas que a sociedade valoriza. Eles têm que superar outros rivais e inimigos em competições culturais, o que provavelmente explica por que eles não são tão amáveis quanto as mulheres.

A essência de como a cultura usa os homens depende de uma insegurança social básica. Esta insegurança é de fato social, existencial e biológica. Embutido no papel dos homens etá o perigo de não ser bom o bastante para ser aceito e mesmo o perigo de não ser capaz de agir bem o bastante para criar descendência.

A insegurança social básica da humanidade é desgastante para os homens, e não é muito surpreendente que tantos homens enlouqueçam ou façam coisas malignas ou heroicas ou morram antes das mulheres. Mas esta insegurança é útil e produtiva para a cultura, para o sistema.

Novamente, eu não estou dizendo que isto é correto, ou justo, ou próprio. Mas isto tem funcionado. As culturas que têm alcançado o sucesso usaram esta fórmula, e esta é uma das razões de elas terem prosperado em vez de suas rivais.


Roy F. Baumeister is Francis Eppes Professor of Social Psychology at Florida State University, in Tallahassee. His email address is baumeister [at] psy.fsu.edu. Further information on his research interests can be found _here .The speech that got Larry Summers out of a job as President of Harvard can be read __here. Steven Pinker has written a critique of the Summers kerfuffle. It can be read ___here.

Copyright © 2007 Roy F. Baumeister. All rights reserved.

Nenhum comentário:

Postar um comentário