terça-feira, 27 de setembro de 2016

"Homens precisam mudar" por El Ratel

Homens precisam mudar - o resto de nós está bem!


Esta peça é inspirada em um artigo (não é uma resposta completa ao mesmo) publicado no New York Times em 4 de abril de 2016. Ela é escrita por Andrew Reiner e é intitulada "Ensinando homens a serem emocionalmente honestos". Você pode encontrar o artigo original aqui:

http://www.nytimes.com/2016/04/10/education/edlife/teaching-men-to-be-emotionally-honest.html?_r=1

Então, este artigo me trouxe sentimentos misturados. Ele parece ser escrito por um homem doutrinado pelo feminismo que começou a ver rachaduras no muro feminista, e fez algumas observações interessantes, apesar de ele geralmente prender-se à narrativa. Eu irei lhes dar alguns pensamentos aqui:

O artigo basicamente faz um caso contra os homens emocionalmente mutilados nas nossas sociedades, descrevendo como somos ensinados desde a tenra idade a engolir nossos sentimentos e quão mau isto é para todos. Ele baseia-se em Michael Kimmel e explica a toxicidade do "Bro Code" na qual nossos homens jovens estão se desenvolvendo.

O autor deseja que homens chorem mais, expressem mais suas tristezas, suas frustrações, porque ele considera isto um traço de personalidade desejável para todas as pessoas, inclusive homens. Ele nota como homens estão perdendo para mulheres e,m educação, mas ele culpa este "código masculino" que compele todo garoto a ser mais bruto que o cara do lado, a fim de sentir-se validado por seus pares. Ele também nota que não existem recursos focados para os homens nos câmpi, mas ele vagamente acusa deste fato "homens e mulheres igualmente", que desafiem e protestem pela necessidade de tais recursos. Ele não acusa o feminismo, o principal detrator das questões dos homens no colégio.

Para sumarizar, o artigo diz que homens necessitam mudar. "É para seu próprio bem e para o bem da sociedade", nos diz o autor. Vamos compartilhar alguns pensamentos sobre isso:

1 - O autor diz que homens devem ser mais emotivos. Se é este o caso, então isto deve significar que mulheres já são "emotivas o bastante". Segue logicamente que homens precisam ser mais como as mulheres. Isto só prova que ele considera mulheres como sendo o default em termos de emoções, e que homens precisam parecer mais com elas. "Ser emocionalmente honesto", como Hannah Wallen disse há algum tempo, na verdade quer dizer "ser mais feminino". O autor sente que emocionalidade, aquela emocionalidade aberta e descontrolada mediante choro (em particular) é um trato de personalidade bom e desejável para todo mundo. Se ele tivesse lido um pouco de Tom Golden, por exemplo, ou mesmo se ele prestasse mais atenção aos homens ao seu redor, ele saberia que homens são profundamente emocionais, mas apenas expressam isso à sua maneira. Homens tendem a expressas seus sentimentos indiretamente e mediante ação. Eles não se encontram usualmente apenas para falar sobre seus sentimentos e chorar nos ombros uns dos outros. Eles geralmente se encontram para jogar futebol, pescar, ou apenas jogar uns videogames, e enquanto fazem isso, começam eventualmente a falar. Ao mesmo tempo, eles estão interligando; mediante cooperação e amigável competição agonística. É assim que homens geralmente se relacionam entre si. Você não vai ouvir seus mais profundos pensamentos se forçá-los a olhar em seus olhos e perguntar diretamente. O autor parece acreditar que homens ficam vexados de terem emoções; que eles sejam proibidos de expressá-las, que constantemente empregam uma máscara. Ele não pode compreender que homens de fato sentem e expressam seus sentimentos, eles apenas fazem isso de uma forma diferente. E isto está bem. Pensar que todo mundo que não reage às situações como você reage é emocionalmente deficiente é apenas uma forma egoísta de pensar.

2 - O autor não põe valor algum no estoicismo - o conceito de controlar e dominar suas emoções, permitindo que direcione-as de uma certa forma, a fim de não ser por elas dominado. Suportar a dor e o medo não significa nada para ele; ele quer que as pessoas chorem e reclamem, Mas ele não nos conta que chorar e reclamar jamais trouxe nada aos homens, nada além de escárnio. E este não é uma coisa de "bro code": mulheres compelem isso com tanta intensidade quanto homens. O autor não compreende que homens são fortemente atraídos por mulheres, em tal extensão que eles farão o que elas quiserem que eles façam, ou o que aparentar ser o que elas querem. Se todas as mulheres repentinamente se atraíssem honestamente por homens emocionais, no dia seguinte teríamos rebanhos de homens chorosos com olhos vermelhos. Mas mulheres não são naturalmente atraídas por homens reclamões chorões. Por isso homens competem entre si a fim de fazer o melhor que podem, de acordo com as regras das mulheres. Seleção sexual funciona na maioria das espécies (a nossa inclusa) mediante competição masculina e seleção feminina. É a natureza. Dizer acintosamente que isso é "coisa de homem" é pura covardia.

3 - O autor também menciona o desempenho inferior dos homens na educação, mas ele culpa as "normas sociais sobre masculinidade". Como vemos, nenhuma menção acerca de ações afirmativas em favor das meninas, nenhuma menção acerca de mudanças no sistema educacional para torná-lo mais adequado a estudantes mulheres. É só uma coisa de homem, e precisamos idar com isso. Não precisamos de ajuda, nós apenas precisamos ser homens e chorar mais (por mais louco que isso possa soar). Apesar de a superfície do artigo aparenta ser a favor dos "homens como vítimas", o autor está colocando a responsabilidade somente nos ombros dos homens. Então na realidade é "homens como vítimas de umas coisinhas que eles mesmos criaram". Nada legal. Ele não leva em conta a óbvia influência do pensamento feminista na educação. Se nós concordamos que homens são seres opressores, malignos e desprezíveis, então por que deveríamos alocar qualquer recursos para sua educação em específico? Por que deveríamos nos preocupar com modelos de atuação para eles, se eles são inerentemente danificados, causas perdidas? Em tal ambiente desolado, de descuido e desprezo, é mais que natural que homens e meninos recorram a versões mais primitivas, básicas, tribais, de ligação em irmandade. É um fenômeno que vai acontecer não importa o que façamos, é assim que somos programados. De quem é a culpa se homens jovens se voltam para o crime, atividade em bando, bebedeira, video games, pick-up artistry [NT1] e cultura de sedução amorosa (atividades listadas no artigo) a fim de encontrar validação de outros homens? É sua própria culpa, porque a masculinidade é tóxica? Ou poderia ser porque lhes foram tirados todos os outros sistemas de validação?

4 - Então homens precisam mudar e serem mais emocionais, mas de alguma forma ainda devem lidar com os mais sujos e perigosos da sociedade. Eles precisam mudar e ser mais emocionais, mas de alguma forma precisam ser dominantes a fim de as mulheres sentirem-se atraídas por eles. Eles precisam mudar e deixar suas atitudes atrevidas e paqueradoras direcionadas às mulheres, mais ainda se espera que eles iniciem o contato com os homens. Esta é praticamente uma lei na interação homem-mulher: mulheres dão dicas, mas é o homem que tem que arriscar a cara.

5 - Por que devemos ensinar os homens a ser emocionalmente honestos, se desconsideramos e zombamos seus interesses de qualquer forma? Como um comentador do artigo escrevera: "Homens decidirão não mostrar seus sentimentos assim que notarem como serão tratados por todos". Que bem há em homens chorando publicamente, se eles ainda não terão lugar em abrigos para vítimas de violência doméstica, nenhuma concessão orientada a homens (graças a Deus por Milo e Margaret!), se eles ainda serão esmigalhados nas Varas de Família? É isso que mais me emputece na maior parte desse artigo: ele reclama e demanda e mostra desgosto por comportamento masculino inapropriado, mas faz isso de um lugar seguro, e não sente necessidade alguma que seja de olhar para a figura maior dos homens. Ele reclama das manchas de fuligem nas paredes e quer que alguém as limpe, mas não inquire de onde veio o fogo pra começo de conversa.

FootNotes:
  • [NT1] Pick-up Artist, sigla PUA, refere-se a uma pessoa que aplica técnicas de sedução, bem como a grupos envolvidos com tais práticas.
META
Título Original Men need to change - the rest of us are fine!
Autor El Ratel
Link Original http://honeybadgerbrigade.com/2016/05/15/men-need-to-change-the-rest-of-us-are-fine/
Link Arquivado http://www.archive.today/56Ah4

Nenhum comentário:

Postar um comentário